A ideia era "aprender a lição" deixada em 2015 pelo rompimento da barragem da Samarco - de propriedade da Vale e da BHP Billiton - que deixou 19 mortos e é tida como o maior desastre ambiental da história do Brasil.
Três anos depois, a Vale se vê diante da possibilidade de, desta vez, protagonizar o maior desastre em termos de vidas humanas dos últimos 30 anos no mundo.

Separamos quatro relatos comoventes de sobreviventes.

Relatos de sobreviventes de Brumadinho


1- Relato do senhor Onofre



“Meu sobrinho veio aqui em casa na quinta-feira, comeu um macarrão com galinha e disse para mim, ‘nossa, tio, como esse macarrão tá gostoso’. Essa foi a última vez que eu o vi antes de acontecer essa tragédia com a vida dele. Meu nome é Onofre Agostinho da Silva, tenho 64 anos.
É muito triste pensar que existe vida embaixo desse barro. Não só meu sobrinho ou meu cunhado, mas tem muita gente que essa terra cobriu. Fiquei com muita vontade de chorar nesse fim de semana. 
Quem veio me animar foi minha neta. Ela nem me reconheceu porque eu tava quietinho e eu não gosto de ficar quieto, gosto de trabalhar, de me movimentar, mas tá difícil. Esse lugar é meio esquisito. 
Eu trabalhei na mina, mas antes de ser da Vale, era outra empresa. Puxava minério com caminhão, trabalhei por muito tempo.” 

2- Relato do senhor Wilson


"3 anos atrás eu já previa esse acidente. Trabalhei na área em 2001 e 2002, naquela época já constava muita umidade nas barragens, a estrutura era muito ruim. Aí quando aconteceu o desastre em Mariana, me entrevistaram pra uma TV e eu falei que ia cair essa de Brumadinho.
Meu nome é Wilson José Ferreira. Essa barragem aqui era a mais perigosa. Sempre falei que se ela rompesse, ia tudo embora, sempre bati nessa tecla, mas ninguém me dava atenção, só porque eu não tinha conhecimento técnico, não era engenheiro, não era formado.
Só que o que eu falei veio acontecer. Agora, não dá para descrever a tristeza. Acabou o nosso sossego, perdemos muitos queridos. Fica a indignação com a Vale que riu de mim várias vezes através dos engenheiros e com o prefeito. Com esse, eu nem quero papo.
Eu me arrependo de não ter ido afundo no meu aviso, podia ter salvo a vida de várias pessoas. Só que sem apoio, sem escuta, sem alguém te incentivando fica difícil. Agora tamo tudo arrasado.

3- Relato de Leidiane


A história de Leidiane, 24 anos, é da dor da perda de sua mãe. Antes da tragédia, Leidiane conta que trabalhava para dar melhores condições de vida para a família, mas, depois do episódio, ela afirma que sequer tem sonhos.

A jovem afirmou que era uma das funcionárias da pousada mais conhecida de Brumadinho, para onde foi antes de ouvir o último "Vai com Deus" de sua mãe. Agora, são só ela e os irmãos, de 21 e de 19 anos, no mundo.

"Eu tinha o sonho de melhorar minha condição e a condição da minha mãe. 5 dias atrás, meu sonho era encontrar minha mãe viva no meio desse barro. Hoje, não tenho mais sonho nenhum, já não tenho mais esperança de achar ela viva. 
Meu nome é Leidiane, tenho 24 anos. Agora tá só eu e meus irmãos, um de 21 e um tem 19. Meu pai faleceu já faz 5 anos. Minha mãe era viúva. Última coisa que lembro dela me falando foi um 'vai com Deus' quando eu fui trabalhar. 
Eu trabalhava numa pousada, a melhor pousada aqui de Brumadinho. Vinha muito estrangeiro, muito pesquisador que ficava aqui para ir ao Inhotim. Era uma delícia, você tinha que ir lá ver.
Tenho vontade de sumir ou de fechar os olhos e ver tudo reconstruído e minha mãe do meu lado. Tá difícil, tenho ódio da Vale hoje. Já chega."

4- Relato de Jefferson Dos Passos


“Eu fui o primeiro a entrar nessa lama aí pra resgatar as pessoas. Quando eu soube da notícia, eu e um amigo, entramos na lama que ainda estava úmida pra ver se tinha alguém vivo. Achamos duas pessoas.
Assim que achamos, acalmamos as vítimas e esperamos o helicóptero que veio depois de 40 minutos. Sabe aquela pilota que apareceu na mídia? Era a gente lá embaixo. Depois disso voltamos para ver se tinha mais gente viva, mas não achamos ninguém.
Meu nome é Jefferson Dos Passos, tenho 33 anos. Eu perdi minha horta e perdi minha irmã, também. Quando eu soube, tava num caminhão e aí o motorista avisou pra todo mundo que a gente ia parar e avisou onde a lama tinha passado. 
Quando ele falou que a lama passou na pousada que minha irmã era camareira, fui correndo pra lá, mas não achei nada. Estou arrasado. 2019 nem começou, mas já acabou pra mim. Não sei como vai ser daqui pra frente.”

Fonte: spinvisivel

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem