The Rain pode ser a primeira série original dinamarquesa da Netflix, mas ela parecerá um pouco familiar para quem assiste The Walking Dead. Não, a chuva não contém zumbis, mas nos primeiros dez minutos, torna-se óbvio que será outro drama pós-apocalíptico sobre um vírus que assola a humanidade, deixando poucas pessoas para descobrir como escapar de sua sobrevivência. Se você curte esse tipo de coisa, isso atrairá sua atenção imediatamente e, com base nos três episódios iniciais disponibilizados para os críticos, provavelmente se agarrará a ela. Mas se você está cansado de dramas sobre a morte da humanidade, você pode achar difícil de assistir.



Criado pelos cineastas dinamarqueses Jannik Tai Mosholt, Christian Potalivo e Esben Toft Jacobsen, o The Rain não perde tempo em ambientar a cena ou lentamente nos apresentar seus personagens principais. Nós somos imediatamente empurrados para uma situação tensa que envolve algo bastante banal: um grupo de estudantes se preparando para fazer um exame final oral e surtando porque aquelea com a apresentação, Simone (Alba August), está atrasada e correndo para chegar a classe em tempo. Segundos depois que ela chega e parece que todos podem se sentir aliviados, o pai de Simone (Lars Simonsen) aparece em pânico e a arrasta para longe, insistindo ameaçadoramente que vai chover e eles não podem estar lá quando começar.


Simone é rapidamente empurrada para dentro de um carro com o resto da família, que acaba em um bunker escondido, em algum lugar fora da Dinamarca, que pertence à empresa de seu pai, Apollon. Por diferentes razões, mamãe e papai são rapidamente removidos de cena, deixando apenas Simone e Rasmus (Lucas Lynggaard Tønnesen). Eles permanecem no bunker por seis anos, tornando-se adultos jovens enquanto subsistem de alimentos não perecíveis. Tudo o que sabemos e tudo o que sabem é que a chuva que caiu carregava algum tipo de vírus que mata as pessoas. Através de flashbacks, também sabemos que seu pai criou o vírus para curar o jovem Rasmus de alguma doença anterior desconhecida. Mas o que está acontecendo lá fora e se existe alguma possibilidade de se reunir ao mundo acima da Terra é um mistério. Eles eventualmente exploram esse mistério, é claro, e os colocam em contato com outro pequeno grupo de sobreviventes que - me pare se você já ouviu isso antes - não tem certeza se eles podem confiar em Simone e Rasmus e vice-versa.


The Rain, cuja paleta de cores não é alegre e muito menos animadora, é muito eficiente na maneira como ela abre seu enredo, compartilhando apenas o necessário de informações que os espectadores precisam para entender o que está acontecendo, retendo detalhes importantes. Isso faz com que seja ideal para essa plataforma, onde perguntas não respondidas convidam os telespectadores a manterem o interesse até que finalmente obtenham algumas respostas.


Embora a série se torne cada vez mais uma peça de conjunto, pelo menos nos primeiros episódios, Simone serve como sua âncora, ela desempenha esse papel de forma convincente, ocasionalmente mostrando flashes de medo, mas ainda avançando com desenvoltura e determinação para proteger seu irmão e confirmar se um de seus pais ainda está vivo. O fato de ela se assemelhar a outra jovem corajosa, mas em conflito, que está tendo um momento na televisão - que seria Holly Taylor, que interpreta Paige Jennings em The Americans - apenas reforça a sensação de que Simone tem reservas de força.


Vários momentos durante os três primeiros episódios chamam a atenção para cenas de outros programas e filmes recentes com temas similares, incluindo não apenas a franquia de Walking Dead, mas também filmes como Annihilation e 10 Cloverfield Lane. 

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem